Perfídia

Um lobo deseja devorar os animais de uma fazenda. Sempre que se aproxima é rechaçado a tiros pelos que ali moram. Durante a noite os animais menores são recolhidos em um celeiro que o lobo não consegue penetrar.

O lobo elabora um plano para entrar na fazenda sem ser rechaçado pelos que ali moram. Ele se disfarça de cachorro e passa a rondar os arredores da casa e do estábulo, tendo o cuidado de não se aproximar muito, com a finalidade de evitar que o seu disfarce seja descoberto. Com o tempo as pessoas se acostumam com a presença dele e não vigiam seus movimentos.

O lobo fica à espreita de um animal que se afaste do grupo, tira seu disfarce para caçar com mais agilidade, mata o desgarrado sem fazer barulho. Depois carrega o animal para bem longe da fazenda, um lugar onde possa devorar o seu furto e não ser descoberto.

Os que moram na fazenda percebem a diminuição gradativa dos animais. Resolvem colocar uma pessoa de vigia no alto da casa, armada com um rifle, com a finalidade de descobrir o que acontece e rechaçar algum predador. Com grande espanto esta pessoa vê o cachorro se aproximar da casa, tirar a pele de cachorro e mostrar a sua identidade: um lobo pérfido. Ela compreende que eles deixaram entrar na fazenda um lobo sob a pele de um animal doméstico. Com um tiro certeiro abate o ladrão.

Qualquer semelhança com o Brasil não é mera coincidência…

Marcos Antônio da Cunha Fernandes

www.marcosfernandes.org

João pessoa, novembro de 2015.